Blog

  • Saiba um pouco sobre colgeno

    28 de junho de 2011

    Quanto falamos em colágeno, geralmente, a maioria das pessoas pensam em beleza e jovialidade, afinal é comum encontrar no mercado diversos produtos a base de colágeno e que prometem saúde para pele, cabelos e unhas.

    Além da beleza, você sabia que o colágeno também está relacionado aos nossos ligamentos e tendões?

    A seguir, compartilhamos um texto que fala um pouco sobre o assunto.

    Compartilhe conosco a sua opinião e boa leitura!

     

    O colágeno é uma proteína que tem como principal função proporcionar sustentação às células e mantê-las unidas. É o principal componente protéico da pele, de ossos, das cartilagens, dos ligamentos e dos tendões. O colágeno é responsável pela elasticidade da pele, pelo tônus muscular e pela vitalidade dos cabelos e unhas.
       
    Presente na camada da pele chamada derme, o colágeno funciona como âncora que sustenta a camada externa da pele, a epiderme.  Por esta razão, a carência de colágeno faz a pele perder a sustentação e a formar rugas.

    Além dos prejuízos causados à pele, a baixa produção de colágeno acarreta em flacidez dos músculos e aumenta a fragilidade dos ossos e ligamentos.
       
    Produzido pelo próprio organismo humano desde o nascimento, o colágeno passa a ser produzido em menor quantidade quando entramos na fase adulta, ou seja, por volta dos trinta anos. Estima-se que após os trinta anos de idade o organismo perde 1% de colágeno ao ano e a partir da menopausa sobe para 2% de perda.
       
    Em comparação aos homens, as mulheres sofrem mais com a perda de colágeno pois naturalmente possuem menor quantidade desta proteína no corpo. Além disso, com o avanço da idade, ocorre diminuição de estrógeno no organismo feminino, o que prejudica ainda mais a produção de colágeno.
       
    O organismo precisa estar em bom estado de saúde e nutricionalmente equilibrado para produzir e absorver o colágeno adequadamente, já que a síntese desta proteína é feita no organismo com base em aminoácidos, vitaminas e minerais.
       
    Para promover um bom estado de saúde é de extrema importância manter hábitos saudáveis, tais como, ingerir de forma variada alimentos frescos, naturais e ricos e nutrientes, além de evitar hábitos prejudiciais a saúde, como: o hábito do tabagismo, o excesso de alimentos industrializados e de baixo valor nutricional, o estresse contínuo e as noites mal dormidas.

    Em relação a boa saúde da pele, é importante evitar exposição ao sol em excesso e por longos períodos e adotar o uso diário de filtro solar, mesmo em dias nublados.

    Categoria:
    Tags:
     
  • Algas chlorella - um alimento poderoso

    10 de junho de 2011

    Como uma alga minúscula pode fazer tão bem a saúde?
    Saiba mais sobre a alga chlorella na matéria que separamos a seguir. Boa leitura!

     

    A chlorella é uma alga unicelular microscópica de água doce e uma das formas de vida mais antiga de nosso planeta, tendo surgido há mais de 2 bilhões de anos. Em termos nutricionais, a alga chlorella contém proporcionalmente, mais proteínas do que qualquer outro alimento. Além disso, os minerais e oligoelementos, as vitaminas, os aminoácidos, os ácidos nucléicos e várias outras substâncias ativas, comprovadamente presentes na chlorella, em quantidades essenciais balanceadas, podem suplementar sem excessos, as necessidades nutricionais de cada fase de desenvolvimento e de manutenção do organismo humano. Isto é sinônimo de harmonia e equilíbrio orgânico e, portanto, também é sinônimo de uma vida saudável.


    O ciclo de vida da alga chlorella é dividido em três fases: crescimento - maturidade - divisão. Nas fases de crescimento e maturidade, devido a sua natureza elementar e ao seu rápido desenvolvimento, a chlorella armazena em sua célula uma enorme gama de nutrientes qualitativos e quantitativos, como proteínas, aminoácidos livres, ácidos graxos essenciais, microminerais (oligoelementos), vitaminas, enzimas, clorofila, fatores de crescimento e várias outras substâncias benéficas. Apesar de ser uma das menores formas de vida conhecida é a que contém proporcionalmente, a maior quantidade de nutrientes possível.


    Dado esse potencial nutritivo e capacidade proliferativa, a chlorella se apresenta como uma fonte inesgotável de proteínas, pois além destas, contém praticamente todos os nutrientes necessários ao organismo humano. Inclusive, os programas espaciais dos EUA e da antiga URSS pesquisaram intensamente o duplo potencial da chlorella, ou seja, como um alimento essencial para os astronautas nas viagens espaciais, bem como a sua participação in vivo, em sistemas bioregenerativos de apoio de vida no espaço, utilizando a sua capacidade fotossintética para a formação de oxigênio.


    Quanto à composição de nutrientes da chlorella, sendo um produto natural, pode apresentar ligeiras variações dependentes das características da região de cultivo, como luminosidade natural, qualidade, composição da água, estação climática etc.
    Tendo como parâmetro um certificado de análise de uma amostra de 100g de comprimidos de chlorella realizada em 1996 pelo laboratório de Pesquisas Alimentares do Japão, a referida apresentou com destaque os seguintes componentes: proteínas (60,8%); Lipídios (10,5%); Fibras (3,1%); Carboidratos não fibrosos (17,3%); Clorofila total (2,17%); Cálcio (345mg/100g); Magnésio (331mg/100g); Potássio (989mg/100g); Ferro (205mg/100g); Fósforo (1.170mg/100g); Sódio (15mg/100g); Manganês (6mg/100g); Zinco (3mg/100g); Vitamina b12 (74,30 mcg/100g).


    Para efeitos comparativos, a chlorella contém pro-porcionalmente mais proteína do que a soja (37%), a carne de vaca (45%) e o trigo (10%). Contém os oito aminoácidos nutricionalmente essenciais e todos não essenciais, sendo portanto a alga unicelular mais completa em termos de aminoácidos.
    Alguns estudos que foram realizados no Japão, nos EUA e na Alemanha, permitiram os pesquisadores concluirem que a alga chlorella possui uma capacidade desintoxicante para uma série de agentes poluentes.
    Essa capacidade de desintoxicação da chlorella está associada às características estruturais da sua parede celular. Estudos comprovam que essa parede celular de constituição trilaminar possui uma capacidade inerente de se conjugar com as substâncias tóxicas que, ao invés de serem absorvidas pelo epitélio intestinal, são eliminadas naturalmente junto com as fezes.

    Categoria:
    Tags:
     

Facebook